Saturday, September 27, 2014

A palhinha do nariz do meu pai.

Tinha de partilhar a sua história. E a nossa história, consigo. Homem jovem, dos seus 40 e poucos anos. Um primeiro internamento no nosso serviço conduz a biópsias para esclarecimento da situação clínica. Reservado, pouco comunicativo. Daqueles doentes que pouco interage connosco. Totalmente autónomo. Tem alta, regressando a casa para aguardar no seu conforto o resultado dos exames. Dias depois é chamado de volta. Os resultados mostram o que não se desejava. É confrontado logo, de imediato, com um diagnóstico de cancro do pulmão com metástases em vários locais. O médico, o seu médico, o nosso médico, sem saber muito bem o que lhe dizer, como lhe dizer. A sua esperança de vida é curta. Muito curta. Muito mais curta do que queremos dizer. Depois desses poucos dias em casa aparece junto a nós já disfónico, com tosse constante e muitas secreções que não pára de retirar de dentro de si. A evolução foi rápida. Decide-se entubar para alimentação porque com tantas secreções e com a dificuldade que começa a ter a engolir, o risco de complicar tudo é grande. Falamos consigo. Compreende. Colabora como poucos na introdução, extremamente desagradável, de um tubo que entra pela narina e é conduzido até ao estomago. Inicia-se o modo habitual de alimentação - um pack de um líquido que se administra, durante uma hora, em perfusão contínua, cinco vezes por dia. No dia seguinte quando me aproximo pergunta: "posso beber água?". Questiono se quer beber pela boca. Diz-me que não. Refere que já foi bombeiro e que sabe mexer na sonda. Revejo os passos consigo e, realmente, não existem dúvidas ou dificuldades. Mudam-se os planos. Venha a dieta pastosa e deixe-se o senhor tratar disso. Sinto que essa autonomia o deixa contente. Leva, inclusivamente, o tabuleiro da alimentação sempre para o refeitório para comer, tal como os outros, lá. Que força interior lhe perscruto olhando-o na luta diária com um prognóstico tão difícil. Fala-me do seu filho, que ainda não tem 3 anos. Os seus olhos brilham. Por um lado, a alegria de falar nele. Por outro, embargados por lágrimas que se abeiram pelo pensamento de que não estará cá para o ver crescer. Outro dia, já de saída. Cruzo-me consigo, no corredor. Está sentado ao lado da sua esposa. O seu filho corre de um lado para o outro repleto de gargalhadas e sorrisos, tão característicos da sua idade. Feliz. Olha para mim e diz-me: "é ele, este é o meu filho". Pergunto-lhe o nome, brinco com ele. A determinada altura a sua inocência de criança olha-me e a rir diz: "o meu pai tem uma palhinha no nariz". Brinco com a ideia. Nunca me teria ocorrido. Sorrio. Diz que o pai tem uma pulseira muito gira. Prometo-lhe uma igual num próximo dia e no dia seguinte entrego-lha, escrevo o nome do seu filho nela e a sua data de nascimento e digo-lhe "agora pode ter uma pulseira igual à do pai". Agradece, novamente com a lágrima no olho. Hoje em casa, a passar uns dias com a família, até o corpo e a alma permitirem, espero que passe uns dias cheios... plenos daquele amor de família que é insubstituível. Estaremos cá quando precisar para o receber de novo se assim desejar. Para o acompanhar na fase final. Para permitir que seja um pouco menos difícil.

Os 30...

Uma pequena nota: fiz 30 anos recentemente e celebrei-os na melhor companhia. Os amigos de sempre, numa tarde e noite prolongadas com muita conversa, petiscos bons e aquele carinho que sabe tão bem. E família, até a do Norte, que esteve cá para celebrar comigo a entrada numa nova década. Assustador? Nem por isso... 30 anos até me soa bastante bem. Sinto-me "crescida".

Monday, September 1, 2014

A viagem dos cem passos.

Um filme com cheiros e sabores próprios. O encontro do nosso caminho... os cem passos que nos levam ao nosso futuro. O assumir que o mundo tem tanta diversidade que virar a cara a este facto é perder oportunidades... porque a diversidade dá riqueza a tudo o que fazemos e vivemos. Vale a pena.

Sunday, August 31, 2014

Que ressoem como tambores desfrenados... e que não fechemos os olhos.

Retomo a escrita neste blog hoje porque sinto necessidade de falar sobre alguns temas actuais da nossa sociedade. Não sei com que frequência voltarei, mas este blog é aquele cantinho onde eu falo, onde me expresso, onde debato ideias comigo mesma em palavras escritas. E, às vezes, preciso mesmo de o fazer. Venho falar do que se tem passado por esse mundo fora no que a guerras e conflitos armados diz respeito. São muitos, demasiado frequentes, profundamente absurdos. E destaco o conflito no Iraque porque quero falar do "Estado Islâmico", esse grupo de pessoas que se intitulam portadores da vontade de um ser superior, justificando assim os seus actos. Tenho lido um pouco sobre o assunto, porque até mim chegaram fotografias e vídeos que não posso ignorar. Gente matando gente, a sangue frio, sem olhar para trás. Pessoas a enterrar vivas outras pessoas. Indivíduos a decapitar indivíduos. Seres humanos a agrupar seres humanos numa vala comum e a disparar sobre eles várias vezes. Corpos caídos e ensanguentados, mortos... muitas vezes, ainda assim, desrespeitados e ignorados. Como é possível? Alguém disse uma vez que "não podemos deixar de falar do Holocausto porque cairá no esquecimento e tudo se repetirá novamente"... o que está a acontecer hoje, agora, neste preciso momento, no Iraque? Que atitudes são estas? Que comportamentos?... Em que é isto diferente do que foi feito há umas décadas contra os judeus? Há uns séculos com a Santa Inquisição? Em que são diferentes estes ideais? "Luta-se" (chacina-se...) por uma raça/religião/crença superior... uma ideia que se considera a única real, a única verdadeira. Tudo o resto não é aceite, ponto final. Todo aquele que não concorda, que se pronuncia contra, que não defende os mesmos princípios, é infiél e não merece viver. Assustador?... Muito! Assim como é assustador perceber que não são assim tão poucos aqueles que os apoiam por esse mundo fora. E nós, europeus, não somos diferentes. No meio daquilo que é considerado um mundo civilizado há quem dê a cara por esta "causa". Mas, e para terminar, achamos realmente que a ascenção cada vez mais evidente dos grupos de extrema direita ao poder por essa Europa fora não é já um sinal de alerta?... Que ressoem em nós as memórias de todos os massacres e de todas as chacinas que estudamos nas aulas de História e sobre os quais vemos documentários e, ainda hoje, muitos anos depois, nos chocam... que ressoem como tambores desfrenados... e que não nos saiam da cabeça. Não podemos permitir que tudo se repita. Não podemos fechar os olhos e ignorar.

Tuesday, July 30, 2013

Loving...

O tempo voa... sim, expressão muito usada e uma grande verdade. Há muito tempo que aqui não escrevo. A minha vida sofreu grandes transformações neste último ano e eu tenho vivido cada uma com a alegria e o stress que lhe são inerentes. Apaixonei-me, como já tinha transparecido nos últimos textos que escrevi... e apaixonaram-se por mim. Algo trivial diriam alguns, mas na realidade na vida não é assim tão fácil juntar duas pessoas que partilham esse sentimento comum, intenso e arrebatador. Duas pessoas que partilham projectos, vontades e desejos. Duas pessoas que partilham um futuro... quase sem pensar, de forma natural. E surgem passeios, momentos, horas vividas em conjunto... e uma decisão, inesperada mas espontânea, de criar o nosso cantinho... o nosso espaço comum... de vivência, de futuro, de vida a dois. Nem todos os dias são fáceis... não por ele, ou por nós, mas pelo cansaço, o stress, as coisas que não correm no tempo ou da forma planeada. Mas todos os dias são bons. É bom adormecer abraçada a ele sentido-me protegida e acordar ao lado de alguém a quem apetece dar sempre um bom dia efusivo que culmina num beijo. A nossa casa é... a nossa casa. O nosso espaço. Aquele pedaço de espaço escolhido por nós, vivido e sentido por nós. Cada bocado de decoração é nosso. Ao nosso gosto. Nada há de mais aconchegante. Gosto desse espaço, do que me faz sentir, de como me aquece por dentro. E tenho adorado partilhá-lo, pouco a pouco, com quem nos quer bem... a nossa família, os nossos amigos... Loving life... loving time... loving you.

Tuesday, September 18, 2012

Gerês.

Aproveitando ter chegado mais cedo ao trabalho, sento-me a escrever um pouco neste meu espaço... e escolho falar de uns dias passados no Gerês. Lugar de um encanto indescritível, foi sempre um recanto do país que quis conhecer. E contigo (como não?) parti à sua descoberta. É um local repleto de verde, até perder de vista, e do silêncio que apenas a natureza no seu estado mais puro pode oferecer... silêncio apenas quebrado pelo som de animais, do vento que sopra entre as árvores ou da água que corre por rios e riachos e que desce em cascatas de uma beleza rara. Foi acordar e olhar pela janela para um santuário lindíssimo... ser recebidos pela equipa jovem e simpática do hotel... e ir passear. Foi andar a pé, andar de carro, tomar banho aqui e ali, comer comida boa (e um viva à gastronomia portuguesa!)... Foi sentir-me livre, calma, tranquila... Foi ter-te sempre a meu lado e, para variar, adorar cada segundo... Foi fazer trilhas e tentar fazer trilhas... Foi quase ficar sem carro e ver como um aglomerado de pessoas se pode juntar para ajudar outras pessoas, sem mais, apenas porque sim... e sentir como apaziguas o meu nervosismo sem grandes complicações. Foi inspirar fundo e tentar absorver a energia de cada lugar com a certeza de sair renovada a cada inspiração... olhar à volta e não conseguir verdadeiramente acreditar que, a tão pouca distância do meu dia-a-dia, se pode encontrar um lugar assim... Foi, uma vez mais, concretizar um sonho contigo, de forma tão natural, e criar mais boas memórias e recordações contigo...

Wednesday, August 22, 2012

Quando disse que um dia chegaria o meu dia, não sabia que seria agora e contigo, mas como te disse, era esta sensação de paz e tranquilidade que imaginava... Sinto-me preenchida, completa, feliz... a loucura da paixão ferve dentro de mim mas apaziguada pela brisa de um amor forte, sem prazos de validade, sem limites para acontecer, sem tabus. Saudade dura mas boa de sentir...